Menu
  • TEMA DO ANO DE 2019

“REPENSAR O MUNDO REDESENHANDO FRONTEIRAS”

SAIBA +

EXPLICAÇÃO

FRONTEIRAS:

“A história das fronteiras é uma história de vetores, trajetórias, (re)direcionamentos, capturas, e divisões, escritas exclusivamente na perspectiva das tecnologias materiais das divisões sociais. Em outra palavras, ela é uma história kinopolítica, da palavra grega kivo (kino), [cujo sentido é] movimento”.

 THOMAS NEIL

Fronteiras definem limites e os pontos de trânsito dos fluxos humanos. Se as fronteiras são as territorializações políticas de nosso tempo, os fluxos são nosso ponto de partida conceitual.

As fronteiras acompanham a humanidade na produção de trabalho e conhecimento, nas relações sociais em diversas escalas (intra e inter) sociais, no mundo econômico, religioso, político, …
As fronteiras se constituem como um campo móvel do fazer humano, no tempo e no espaço, que se manifesta como parte importante dos processos sociais e um desafio para nossa compreensão, seja naquilo que ela significa enquanto separação, um horizonte ou um limite que se quer definir, ou ultrapassar.

FRONTEIRAS: UM OBJETO – PROCESSO.

Em certos casos, as fronteiras se materializam e se tornam bem vivíveis, em outros não, mas sua presença não é menos importante, seja no campo simbólico, seja naquilo que ela define, separa.
Muitas “muralhas” visíveis e invisíveis (quase intransponíveis) se erguem e se quebram, se deslocam, se fortalecem, se fragilizam, dando forma ao agir e ao pensar humanos; reconhecer que elas existem é  penetrar no entendimento da aventura humana na composição do que podemos chamar de um grande balé, a dança das fronteiras.

Confira, baixo, os subtemas e recortes separados por série e turma.
  • Rua Miguel Navarro Y Canizares,
    nº 423, Pituba, Salvador, BA
  • 71 3270.4100
    Fax: 71 3270.4127